Embaixada de Portugal em Itália

Ministério dos Negócios Estrangeiros

«Amália, la voce dei poeti» Università della Tuscia, 19 de Outubro

locandina 19 ottobre

No âmbito das aulas de Literatura e Cultura dos Países de Língua Portuguesa, lecionadas pela Professora Cristina Rosa do departamento de estudos linguístico-literários, histórico-filosóficos e jurídicos da Universidade de Tuscia, terá em lugar em Viterbo, na próxima segunda 19 de outubro por volta das 11 horas, a conferência “Amália, a voz dos poetas – a poesia portuguesa do século XX cantada pela grande fadista” cujo orador será o Dr. Francisco de Almeida Dias. 

http://www.unitusdistu.net/index.php?option=com_content&view=article&id=700:conferenza-a-cura-di-cristina-rosa-letterature-e-culture-dei-paesi-di-lingua-portoghese-19-ottobre-2015-&catid=37:dipartimento

http://ytali.com/2015/10/16/il-magnetismo-di-amalia-regina-democratica-del-fado/

Siga-nos também no Twitter e Facebook

 

 

 

Depois de uma introdução sobre a novidade e controvérsia causadas por Amália Rodrigues aquando da sua interpretação da poesia de Camões (1524-1580) no inicio dos anos 60, seguir-se-á a análise de alguns poemas de autores contemporâneos, agrupados em temas como a “tradição trovadoresca” - Alexandre O’Neill (1924-1986) e Afonso Lopes Vieira (1878-1946) – “a estrada da liberdade” Manuel Alegre (n.1936), David Mourão-Ferreira (1927-1996) e Ary dos Santos (1937-1984) –“o amor infeliz” - Cecília Meireles (1901-1964) e Pedro Homem de Mello (1904-1984) – encerrando o ciclo com uma reflexão sobre “Fado Português” de José Régio (1901-1969). A apresentação será concluída com uma referência à poesia escrita pela própria Amália Rodrigues, um aspeto pouco conhecido da sua personalidade artística.

Considerada como a maior cantora de fado de sempre, recai sobre Amália Rodrigues (1920-1999), entre outros, o mérito da internacionalização da música portuguesa e do nome de Portugal, sendo por isso mencionada como “embaixadora da alma portuguesa”. Sublinha-se também o seu importante papel na democratização do acesso à cultura literária, ao tornar a poesia portuguesa acessível a todos, considerando que até à data era algo exclusivo a uma élite intelectual. 

Partilhar:
FacebookTwitterGoogle +E-mail